Tuesday, April 29, 2008

Human rights in Tibet


"Human rights conditions in Tibet remain dismal. Under the Chinese occupation, the Tibetan people are denied most rights guaranteed in the Universal Declaration of Human Rights including the rights to self-determination, freedom of speech, assembly, movement, expression and travel."

Sobre o olhar determinado de David, gritos contra a crueldade do Governo Chinês sobre os Tibetanos fazem-se ouvir. A mitologia repete-se ou apenas ganha mais sentido. A China faz-se parecer colossal, assume a dimensão do grande Golias.

Se David já venceu Golias com apenas uma pedra, porque é que nós não podemos fazer o mesmo?

Monday, April 21, 2008

Milan design week




A semana de Design de Milão, para além de ser a maior do género, estende-se a todas as outras actividades culturais ou lúdicas que esta grande capital da moda, regularmente já nos tem para oferecer. A cidade enche, a multi-culturalidade torna-se mais evidente, o trabalho é exposto e os olhos arregalam-se de tanta curva sensual e bela desenhada nos mais quotidianos objectos.

Contudo a feira contamina espíritos, sugere a festa e verdadeiramente oferece a festa. Os véus levantam-se para as noites das noites. Requinte e loucura aliados. Conhecimento e divertimento bem proporcionados numa mistura explosiva.

A feira tornou-se um pretexto para ir à festa, desanuviar dos ares já apertados, simplesmente ir...

... à grande noite de Milão.

Thursday, April 10, 2008

"Mediocridade activa, é uma merda!"


video

Óscar Niemeyer é centenário.

A arrogância dita dilui-se pelo peso da sua experiência. As palavras parecem mais pesadas, reflectidas, cultivadas ao longo de um século numa mente que sempre soube manter-se no rumo que acredita, mesmo sob os ventos sinuosos que comandam a nossa sociedade. Idealista, claro está. Convicções políticas à parte prega ao essencial, ao evidente, que de tão evidente que é não deve ser contestado.

A verdade é que a sociedade permite, nos dias de hoje, que todos opinem, critiquem, que façam suas as palavras de outros, que fomentem opiniões com base noutras opiniões, e no final, já não se sabe onde está a base cultural que permite ancorar tudo isto. Não se pode cantar se não se sabe o que é a música.
Todos falam sem saberem do que falam, criticam superficialmente sem tentarem inteirar-se do problema, mais grave ainda, sem cultivaram a sua cultura em bases sólidas, naquilo que existe, viajando, observando, aprendendo aquilo que é "intuitivo" e que de modo algum deve ser aprendido através de outros, senão por nós mesmos. O óbvio.

A História repete-se... Mozart criticado. Da Vinci incompreendido. Pessoa desconhecido. Os "génios" passam por nós e esvaiam-se entre nós. Vencidos pela mediocridade. Compreendidos anos depois, quando a mediocridade lentamente evolui e os consegue reconhecer. Fica sempre o saber do "agora já é tarde de mais". Quantos de nós gostávamos que Mozart tivesse sido aclamado e compreendido enquanto vivo? Qual seria o seu contributo ao mundo se não tivesse morrido precocemente aos 35 anos, vítima da sociedade medíocre.

Este "grito do Ipiranga", da liberdade, revela um de dois caminhos: Ou a mediocridade deixa de ser activa, ou deixa de ser mediocridade, evoluindo mais rapidamente, cultivando-se seguindo os "génios" do seu tempo...