Friday, March 21, 2008

Reflexão sobre a aldeia global!

Então começa assim: Disciplina de Arquitectura Contemporânea. Van Moos como professora. Fica decidido de se fazer uma viagem de estudo a Berlim nas férias da Páscoa. Ver Libskind, Mies, Loos, Zaha Hadid e tudo mais que a grande Berlim tem para oferecer a qualquer estudante de arquitectura, não esquecendo tudo o que já não é contemporâneo.
Tudo programado à já uns meses. À duas semanas a viagem é cancelada por não estarem preenchidas todas as vagas, presume-se. Os erasmus já não tinham comprado passagem aérea para ir a casa na Páscoa e na altura era já tudo bastante caro. Opções? Vamos nós a Berlim por conta própria. Avião para Berlim de Milão só na Easyjet e também ele já caríssimo. Começa o sonho de fazer uma viagem de carro pela Áustria, Munich, Bratislava... Até que quando esta viagem estava quase acertada surge a ideia de Interrail. Republica Checa e Áustria de Comboio. Non-stop. Organizar tudo em 3 dias. Hotéis, bilhetes de comboio. Marcações, horários e afins. Quando vamos a comprar o bilhete de interrail toda a informação que havia na Internet estava já desactualizada e o bilhete ficaria mais caro que o previsto. Voltamos para casa, ontem, com uma tarde para resolver a nossa viagem que começa hoje. Rever hotéis, horários. Surge a ideia. Porque não irmos de interrail a Berlim que era já a nossa primeira ideia? Voltamos a procurar possibilidades: Hotel existe. Bilhete também, mais caro mas possível. Mas agora o nosso sonho era já outro. Praga, Viena e Budapeste. Berlim já não entusiasmava tanto. Pensamos na hipótese de alugar uma auto-caravana e fazer o percurso desse modo. Vimos preços. Partir de Milão. Fazer contas à gasolina e seguros. Quem conduz? Parecia tudo viável e ficava económico. Viagem de auto caravana pelo centro da Europa prometia. Tudo parecia já acertado, corriam as 22h quando alguém surge a ideia: Istambul. Primeiro ninguém levou a sério, mas quando vimos que existia avião económico para amanhã e que um hotel a Istambul custava só 6 euros por noite tudo começou a fazer sentido. Istambul sim, seria o auge, e tudo organizado em apenas meia hora. Estamos a ponto de comprar os bilhetes de avião e eis que o Ruben (Mexicano) se lembra que talvez ele precise de um visto. Ao contrário dos europeus, viemos a saber mais tarde que os Mexicanos não podem comprar o visto à chegada ao aeroporto de Istambul, é preciso pedir no consulado Turco no México e demora um Mês.
Voltamos a estaca 0. Mas estávamos já cansados de percurso. Este episódio do visto "matou-nos a todos". Fizemos uma festa com a ideia de amanhã acordar e decidimos. Hoje de manhã fomos a estação e compramos o interrail para Áustria e Viena. Comboio parte as 18.14h.
Numa aldeia global pode-se sonhar em viajar pelo mundo sem mesmo sair de um portátil. Tudo está mais perto mas igualmente mais longe. Existe sempre um pequeno senão. Enfim...

Sunday, March 16, 2008

La nova sfida: Albergo di lusso a Siracusa





Accademia di Architettura di Mendrisio.
Atlier de proggetazione: Aires Mateus.
Projecto: Hotel de Luxo na Ortigia em Siracusa.
Ortigia: Património Mundial da Humanidade!
Este é o desafio para os meses que se aproximam...

Projecto absorvente, demasiado interessante para o escasso tempo que dispomos. O lugar é emocionante, desgastado pelo tempo, reclama de uma intervenção, uma âncora que despolete todo o desenvolvimento que escasseia na esquecida sul de Itália. Hotel de Luxo. Citando um amigo: "Luxo é eu querer às três da manhã ouvir [o 4º concerto de violino em D maior de] Mozart e ter uma orquestra inteira a tocar para mim". Hotel de Luxo significa prever e projectar espaços para os mais impensáveis caprichos dos multi-milionários que vão querer fazer milhares de km para passar umas noites de "relax" em Siracusa.
Mas a Ortigia não é o Dubai. Não se pode equacionar um edifício megalómano para um programa de igual dimensão. O tecido é frágil, deve-se respeitar a pré-existência.
Demolir, restaurar ou reconstruir?

Sicilia: Siracusa & Taormina