Monday, February 18, 2008

Alpinista é quem sobe os Alpes?







A última aventura nestas terras Alpinas foi mesmo uma excursão de três dias ao val Bedretto, uma zona de montanhas compreendida entre a parte italiana e alemã da Suíça. Transportes mecânicos ficam a 1200m de altura, a campanna de apoio fica já aos 2000m de altura e a montanha a escalar no segundo dia atinge os impressionantes 3200m de altura. O ar é fraco e frio quando o sol se esconde. O acordar é antes do nascer do sol, a saída para a montanha inclinada faz-se pelas 8h da manha, o regresso de preferência entre as 14h e as 15h pois a neve derrete, torna-se escorregadia e também propicia a avalanches. Material: roupa adequada, botas de montanha, sinalizador GPS, raquetes para os pés e muita água e suporte energético pois muita falta faz lá em cima. O resto... o resto é ter força de vontade para subir e estar lá em cima a contemplar, contemplar o sol, a paisagem, as montanhas, sentado na neve pura a sentir o silêncio imenso.
Fica agendado uma aventura idêntica na próxima noite de lua cheia, diz-se que é ainda mais descomunal.

Friday, February 8, 2008

World press photo 2007


Imagem de soldado dos EUA ganha prêmio da World Press Photo. Jurados consideraram que a foto premiada mostra 'a exaustão de um homem e a exaustão de uma nação'

Wednesday, February 6, 2008

Trip to CA'D'ORO



Pois é, Veneza não se resume ao Carnaval, é muito mais do que isso, transpira atmosfera, medievalidade, um carisma que não se explica. Ausência da revolução do século XX - o carro. Tudo ganha uma nova escala, a proximidade da rua, praça, o homem, ou simplesmente o largo ou o canal. É todo um repensar dos pressupostos adquiridos. Scarpa. O romanticismo de andar de gôndola, nem que seja por 50 cêntimos...
O Ca'd'oro é uma experiência incrível. Uma apoteose de beleza, conhecimento e testemunho, provavelmente o mais belo dos palácios venezianos, este sim um bom exemplo de "Gótico Veneziano", ou será a Basílica de S. Marcos? Bizantino fora de moda ou o mundo está perdido? Não sei o que pensar sobre esta incongruência...
Tive pena de não revisitar o meu amigo António ao som do seu incrível piano... devia andar perdido nas vielas.
Chineses e Americanos, Vietnamitas ou Mongólios... todos iguais, mas igualmente todos diferentes. Todos sob a face de uma máscara hirta inexpressiva. Deixa um sentimento de esperança de que todos podemos ser iguais, nem que seja por um único e singular dia. Não será esse o lema do Carnaval?
E que me dizem de um café a 150€ na Praça de S. Marcos? Talvez a igualdade seja mesmo aparente e não trespasse para além das máscaras...

Nunca será demais agradecer a hospitalidade recebida, as fotografias aqui postadas também elas da Nisa e da Diana, dos companheiros de viagem e por fim a ingenuidade da senhora da fundação Carlos Scarpa que nos deixou entrar gratuitamente sem ela mesmo saber...

Provalvemente o melhor do mundo...