Monday, December 24, 2007

Viagem no Oriente, Le Corbusier

Una fiebre sacudía mi corazón. Habiamos llegado a Atenas a las once de la mañana, pero yo inventaba mil pretextos para no subir "ahi arriba" Finalmente le expliqué a mi buen amigo Auguste que no subiria con Que una ansiedad me oprimía, que estaba en una excitación extrema y que tuviera a bien dejarme solo. Bebi café toda la tarde, y me absorbi en la lectura de una voluminosa correspondencia recogida en Correos y que remontaba a cinco semanas. Después recorri las calles esperando que el sol bajara deseoso de terminar la jornada "ahi arriba", y que, una vez abajo, no me quedara más que ir a acostarme.

Ver la Acrópolis es un sueño que se acaricia sin imaginar siquiera realizarlo. No sé muy bien por qué esta colina encubre la esencia del pensamiento artistico. Sé medir la perfección de sus templos y reconocer que en ninguna otra parte son tan extraordinarios; y he aceptado desde hace mucho tiempo que aqui esté como el depósito del calibre sagrado, base de toda medida de arte. ¿Por qué esta arquitectura y no otra? Quiero creer que la lógica debe explicar que todo está aqui resuelto según la más insuperable fórmula; pero el gusto, mejor dicho el corazón, que conduce a los pueblos y dicta su credo, qué, a pesar de un deseo a menudo de sustraerse a se lleva de nuevo, por qué lo llevamos de nuevo a la Acrópolis, al pie de los templos? En mi es un problema inexplicable. veces toda mi persona se ha dejado llevar por un entusiasmo absoluto ya frente a las obras de otras razas, de otros periodos, de otras latitudes! por qué, después de tantas otras debo designarlo como el Maestro incontestable el Partenón, cuando surge de su bandeja de piedra e inclinarme, incluso lleno de cólera, ante su supremacia?

(...)

Con la violencia del combate, su gigantesca aparición me pasmó. El peristilo de la colina sagrada estaba franqueado, y único y cuadrado, del único trazo de sus bronceados fustes, el Partenón alzaba el entablamiento, esa frente de piedra. Unas tarimas en la parte inferior, servian de soporte y lo exalzaban con veinte repeticiones. Nada existia más que el templo y el cielo y la zona de las losas atormentadas por siglos de depredaciones. Y ya nada de la vida exterior se manifestaba únicos presentes, el Pentélico a lo lejos, acreedor de esas piedras, portador en su falda de la marmórea herida y el Hymeto coloreado con la más opulenta púrpura.

Habiendo escalado unos peldaños demasiado altos, no tallados a escala humana, entre el cuarto y el quinto fuste acanalado, entré en el templo por el eje. Y habiéndome vuelto de repente, este lugar antaño reservado a los dioses y al sacerdote, abrazaba todo el mar y el Peloponeso; mar flameante, montaíias ya oscuras, pronto mordidas por el disco solar. El precipicio de la colina y la sobreeelevación del templo por encima de las losas de los Propileos, poesia metopas apartan de la percepción cualquier vestigio de vida moderna, y, de una vez, dos mil años son abolidos, una áspera sobrecoge; la cabeza hundida en el hueco de la mano, caido sobre uno de los peldaños del templo, sufres la sacudida brutal y te mantienes vibrante.

El sol poniente golpeará con su último dardo esa frente de y de liso arquitrabe y, pasando entre las columnas, atravesando la puerta abierta al fondo del pórtico, despertaria, si no estuviese dispersa desde hace mucho tiempo, la sombra agazapada al fondo del palco privado de su techo. De pie sobre el segundo escalón norte del templo, en el lugar preciso en que cesan las columnas, seguia al nivel de los tres peldaños, la persecución de su horizontalidad más allá del golfo de Egina. Y a mi espalda izquierda, elevándose en una extensión formidable, la pared ficticia que constituye la repetición de los canales vivos de los fustes, tomaba la fuerza de una inmensa estructura blindada de acero, y las "gotas" de los mútulos invocaban sus remaches.

Exactamente a la hora en que el sol da a tierra, un silbido estridente echa al visitante y los cuatro o cinco que han peregrinado desde Atenas, vuelven a pasar el blanco umbral de los Propileos, luego una de las tres puertas y deteniéndose impresionados antes de iniciarse la escalera, midiendo a sus pies como un precipicio de penumbra; y encogiéndose de hombros, sienten chispear, inabarcable como el mar, un pasado espectral, una presencia ineluctable.

Era el año del gran cólera en Oriente y ningún extranjero corría riesgos allí.

colufinas

(...)

Desde la cima de la colina el cerrado contorno oprime, por sus peldaños, los templos, y lanza al cielo sus apiñadas de diversas formas. Sobre el declive de la que conduce al Partenón, los peldaños tallados en el mismo peñasco, oponen una primera barrera. Pero por encima de ellos están los grandes escalones de mármol, obstáculo decisivo para la escalada del hombre. Los sacerdotes salían del palco y bajo el pórtico, sintiendo a su espalda y a sus flancos, el regazo de los montes, su mirada horizontal por encima de los Propileos, se dirigía al mar y a los montes lejanos que éste baña. En la mediana del estuario en cuyo fondo se levanta el templo, el sol describe su curso hasta el ocaso; y en la época de los calores caniculares, su disco toca las tierras por la tarde en el mismo eje del templo. La corona de piedra que limita el altiplano tiene el don de sustraer toda sospecha de vida. El espíritu despierto se embarga y se sumerge aturdido, en una que no es necesario reconstruir. Ya que también sería hermoso, que independientemente de la realidad -esos templos, este mar, esos montes, toda esta piedra y este agua-, fuesen aunque sólo por una hora, el sueño intrépido de un cerebro creador.

Extraordinario!

Thursday, November 29, 2007

Trevi Rossa


"Oggi nasce con noi una nuova concezione violenta della vita e della storia, che esalta la battaglia a scapito della pace e disprezza voi leccaculodiartificiosipoteri, schiavi del mercato globale"
Ftm Azione futurista 2007

No passado dia 19 de Outubro, pelas 16.30h um activista/terrorista atirou uns cubos de corante na Fontana di Trevi, em Roma, deixando vermelha a água que circunda o monumento. Depois, o homem fugiu entre os turistas e mesmo com a imediata intervenção dos Carabinieri presentes no local, a coloração da água da fonte foi inevitável. O ato foi assumido pelo grupo "FTM Acção Futurista 2007", que deixou folhetos identificando-se na área, além de anunciar o nascimento de um movimento baseado numa "concepção violenta da vida e da história, que exalta a batalha contra a paz e os idiotas aduladores do poder e escravos do mercado global".

De todo este panorama surreal do mundo contemporâneo resta-nos "apreciar" mesmo que por momentos esta "fontana de sangue", digamos uma instalação deste grupo accionista sobre a obra genial de Nicola Salvi, um monumento do mundo.

Saturday, October 27, 2007

O problema da costoleta de porco

video

Como se come em Erasmus?
Com a ajuda do nosso amigo Marco no BB1 que nos privilegia com este belo momento, posso tentar decifrar este enigma. A verdade é não se come mal. O problema é sempre, que comer? Que cozinhar? Até certo ponto, passados quase 3 meses as ideias começam a faltar. Parece que comemos sempre as mesmas coisas. E temos de nos sujeitar um pouco à matéria prima que existe. Massas existe de todo o tipo, variedade, forma, cor, tamanho e feitios que possam imaginar, e quase sem se pagar, pelo contrário, para encontrar arroz a tarefa é bem mais difícil, existem sacos de 5kg com aspecto um pouco duvidoso e sabor igualmente estranho. Onde esta o nosso arroz cigala? Depois, é sempre certo comprar imensos pacotes de bacon triturado já, natas, ovos, carne picada, frango e agora estamos também a enveredar pela carne de vaca e pelo peixe, que já nos faz falta. Sopa nem vê-la. Uma ou duas vezes daquela mesmo Knorr. A verdade é que tudo nos leva a confeccionar os ditos "pratos italianos": pizzas, lasanhas e massas com qualquer coisa, tudo vale. Umas têm nomes [carbonara, bolonhesa, putanesca], outras nem tanto, digamos que abre-se o frigorífico e é o que houver. Tenho a dizer que aprendi a fazer uma pasta com atum que fica espantosamente bem, e de boa apresentação na mesa. Claro que o atum é sempre quando já não há mais nada e não temos tempo para ir as compras.
Mas quem pensa que nos desleixamos no campo da culinária engana-se redondamente. Preza-se pela boa qualidade, e essencialmente pela boa apresentação. Dar um toque de chic digamos. Jamais o tacho vai para a mesa, a refeição serve-se nos pratos. A garrafa Luso tem sido presença obrigatória mas tenho "sentido" que não é de bom tom ter a garrafa na mesa. O senhor Caetano Bragança ajuda sempre a pôr em prática o protocolo "como distribuir os lugares a mesa". Mas isto vai-se aprendendo aos poucos.
A refeição não passa sem o chocolate suíço no fim. Presença obrigatória. Isto claro no campo da sobremesa, onde se investe também muita imaginação. Bolos, pudim, crepes, fruta com chocolate por cima, gelado com molho quente de framboesas e as famosas galletitas. Café para quem não gosta de capuccino e porque não um Porto para acabar?


Monday, October 22, 2007

Sunday, October 21, 2007

The Goldeneye 007 Jump

video

Quem não se lembra deste magnífico início de mais uma saga do Agente mais famoso do mundo?
Bond, James Bond em Goldeneye.
Pois é, a barragem de Verzasca é aqui na Svizzera, muito perto mesmo de Mendrisio. E imaginem só? Pode-se fazer Bungee Jumping lá. Para além de ser o salto mais alto do mundo desta modalidade de uma estrutura fixa (220m de altura), atinge-se uma impressionante velocidade de 120km numa queda livre de 7,5 segundos. O preço não é caro, mas infelizmente vou ter de esperar por Março para me mandar nesta aventura, uma vez que agora já esta fechado para Inverno.
De qualquer maneira tenho a dizer que estive lá e realmente é muito impressionante. Fico a espera de quem queira alinhar também nesta aventura...

Thursday, October 18, 2007

La Campana

video
Esta foi a minha proposta...
Peter Zumthor disse que mais importante do que a surpresa pelo interior desta torre, mais importante que se só se descobrir a paisagem no topo da torre e não a medida que se sobe, mais importante que a sua materialidade nos diferentes tempos, mais importante que tudo isso é a maneira como ela comunica, com a paisagem, com a vila, com as pessoas, chamando-as. Criando uma própria identidade como torre...

La mia Svizzera


La mia Svizzera é cosi:
Por detrás de muitas bandeirinhas, montanhas e vales existe uma terra cheia de riqueza, monetária e não só.
Penso que riqueza humana... Senão vejamos: Os 7,5 milhões de habitantes desta terrinha são extremamente pontuais, conservadores de recursos naturais, não sujam as ruas, oferecem sempre óptimas condições aos estrangeiros que acolhem... Bem, neste último ponto tenho de dizer que são um pouco rigorosos... A fronteira ainda é das antigas, tem de se parar e encarar o guarda Suiço (não como aqueles do Vaticano, atenção), se se quiser residir é preciso ir ao Uffizio de Stranieri e mostrar um comprovativo de como se está aqui a estudar ou a trabalhar. Preguiçosos não são autorizados a permanecer.
Apesar deste País/Confederação ser composto por 3 culturas (não só linguísticas) tão diversas, nota-se uma certa preocupação pela referência à história, aos centros das pequenas vilas, uma reminiscência patriótica aqui e ali... Enfim.
Já se sabe que esta ilha financeira é bastante rica, um ordenado muito baixo será na ordem dos 9 euros por hora. Tudo o resto é de ai para cima. Um professor Universitário recebe por exemplo 6000 euros por mês para dar um dia de aulas por semana. Vê-se mais Porsches que Clios. Ferraris, Bentleys, etc vão-se vendo por todo o lado.
E por fim o território... Que belo. Montanhas, rios, lagos, planícies, encostas, escarpas, aldeias em pedra, que quase fazem lembrar a nossa Drave. Numa outra escala claro. A neve tudo muda, o carácter, a atmosfera, o tempo. É fria. Cria estações, para nos fazer lembrar que a Svizzera não se apreende de uma vez, mas antes em várias, em tempos diferentes.

Janela Amarela


A meu ver um dos objectivos/pressupostos de uma janela é fazer passar a luz e fazer ver tanto o exterior do interior como o contrário. Nesta linha de raciocínio penso também que o objectivo de um blackout é impedir essa passagem de luz e essa relação interior-exterior.
Heis que alguém decide fazer um blackout amarelo... O resultado é que não se consegue dormir depois das 7h da manhã... Enfim...

The Vertical City




Swamp City: The Towers
Swamp: Mud, soft, tall grass, sinking, little support, wet, shoes, dragon flies, amphibians, birds, malaria, bright lights, silence, different sedimentation, pools of stagnant water, drainage systems, cushions of water, reclamation projects, urbanized territory.
Swamp City, with feet or on stilts, raft on the ground water, insets of the reclaimed plain, forms typical of urban expansion of 20Th century Switzerland, urban desert, fallow land.
The Towers: Babylon, Bologna, Borobudur, Eiffel Paris, Empire State NY, Gizeh, Hong Kong and demons, Matterhorn, Montreal, San Giminiano, Wolkenbügel Moscow El Lissitzky.
Vertical City, Downtown Chicago, Cappadocia Göreme Turkey, Kowloon Walled CityHongkong, Marseille Nantes Unité d'Habitation Le Corbusier, OMA, Sao Paulo.

Saturday, October 6, 2007

Lugano at Day & Night




Assim se passa um dia em Lugano.

Durante a tarde desfruta-se do acolhimento natural desta paisagem magnifica. O banho no lago é um pretexto para um dia longo repleto de realidades distintas. Belezas próprias ou provocadas. O sol, a água, as montanhas, o céu...

Escurece, tudo muda. Agitação. Vestir "chic". Som, barulho que perturba a acalmia das águas. Nas ruas estreitas de pedra existe rock... yeah, Elvis...

Assim se passa um dia em Lugano.

The Portuguese Dinner


Wednesday, September 26, 2007

O grande Álvaro



Prof. Oswald – “Vocês são mesmo da escola do Porto?”

Miguel – “Sim, sim, somos!”

Prof. Oswald – “Bravos! Amanhã com certeza que farão uma grande festa depois da conferência do Álvaro… Vocês são do Porto. Têm de se sentir orgulhosos e festejar.”

Miguel – “ Sim, mas nós já o vimos antes. No ano passado tivemos uma aula de projecto com ele onde apresentou o seu projecto das piscinas de Barcelona.”

Liliana – “É muito simpático. No fim dessa aula respondeu às perguntas dos alunos com muita paciência. Nós, alunos, estávamos um pouco inibidos pelo…”

Prof. Oswald – “…Pelo respeito de ele ser um dos maiores arquitectos dos dias de hoje.”

Liliana – “Sim, mas ele logo se mostrou aberto e paciente com os alunos.”

Prof. Oswald – “ Bravo, Bravíssimo o meu amigo Álvaro. O grande Álvaro, sempre paciente e calmo. Pausado a falar. Pensativo talvez. O grande Álvaro. Não se sintam mais nem menos por já o terem visto antes porque Álvaro não se repete duas vezes. É grande. Bravíssimo.”

Miguel – “Sabia que a nossa primeira aula na Faup coincidiu com a última aula de Álvaro Siza naquela faculdade antes de se jubilar?”

Prof. Oswald – “Sim? Que privilégio. Orgulho do grande Álvaro. Que idade terá ele agora?”

Miguel – “Não sei bem. 73, talvez 74!”

Prof. Oswald – “Velhinho, mas sempre fiel ao seu ritmo. E os seus desenhos? Sempre a desenhar, tudo o que vê, o que ouve, o que sente. Aqueles seus cadernos são verdadeiramente preciosos. São à grandeza de Álvaro. O grande Álvaro”



Esta foi uma pequena conversa em italiano que eu e a Liliana tivemos com um dos nossos professores de Projecto, o arquitecto Franz Oswald, enquanto caminhávamos nas ruas de Mendrisio no dia anterior à conferência do Arq. Álvaro Siza.

Erasmus em Mendrisio - Um ano com Zunthor, vacas e afins...



O primeiro post deste blog é sem dúvida dedicado aos próximos tempos que se avizinham... um ano em Erasmus em Mendrisio, Svizzera. Uns diziam Mendrisio não passaria de uma terra no meio da parvónia, rodeada pelas montanhas e vacas, onde só havia uma caixa multibanco.
A minha visão desde que aqui cheguei é bastante diferente. Não só isto não é só montanhas, como aprendi a valorizar de igual para igual as belíssimas montanhas que conformam as vistas do meu quarto, como as belíssimas pessoas que comigo co-habitam na casa del' acaddemia, um sitio esplendoroso, agradável, digno de uma capa de revista da especialidade. As pessoas que habitam aqui são todas impecáveis. Neste momento são a minha família. A constante descoberta das suas diferentes culturas revela-se um desafio que faço a mim mesmo todos os dias. Desde aprender que árabe se escreve da direita para a esquerda, que tem 28 letras completamente desconhecidas para mim, que cada letra pode assumir mais de 3 maneiras diferentes de se escrever porque é preciso unir as letras... O japonês tem 3 dialectos diferentes, cada um mais impossível de compreender que o outro. Afinal existem espanhóis que percebem Português. Na Suécia misturam compota com a carne na comida. E muitos afins...

Repetir nunca é repetir

Colher, recolher e partilhar memórias ou desejos, histórias ou projectos pode [será] o conteúdo deste espaço. A rede conecta-nos e incentiva-nos à procura. Mas quem procura, explora e apreende, sente também o desejo de partilhar, partilhar qualquer coisa, de importância relativa e subjectiva, pessoal e/ou actual…


Repetir nunca é repetir. O meu web-moliskine...